domingo, 9 de agosto de 2009

Asciano


Suas pernas entre o fruto doce do meu centro

Caminhos de água percorrem o corpo ainda quente

O seu suor na minha carne

Desejo, desejas...

Inevitável pecado,

Seus olhos desaguam
Azul,
No suspiro ardente do meu ventre.

2 comentários:

Emerson disse...

Maravilhoso. Pequeno e objetivo, peça única, como o poema deve sempre ser.
Emerson

Flávia Lorenzi disse...

obrigada emerson!

esse veio do corpo!